AND OSCAR GOES TO.....III

 

 

As paixões nossas de cada dia!

Oi pessoal. Bem, não poderia deixar de falar sobre uma das minhas paixões que é cinema, e, como não poderia deixar de ser a premiação do Oscar* que aconteceu em 26 de fevereiro, domingo passado.

Confesso que já fazia um bom tempo que eu não assistia à festa da premiação do começo ao fim, mas nesse ano, eles encurtaram um pouco não apresentando as músicas que foram indicadas ao premio de melhor canção original, o que na verdade também não fazia muito sentido apresentar já que eram apenas duas, uma delas a única indicação do Brasil neste ano. Como todos já devem saber, não ganhamos mais uma vez. Nesse quesito, nossos vizinhos argentinos estão bem melhores na fita, sendo que já ganharam dois premios da academia por melhor filme estrangeiro. A primeira em 1986 com o filme "A História Oficial" e em 2010 por "OSegredo dos Seus Olhos". O primeiro eu não posso falar porque não assisti, mas o segundo é realmente muito bom. Técnicamente não saberia avaliar, mas como filme de leigos apaixonados, o que é o meu caso, é ótimo. O Brasil, não se sabe o por quê, manda como concorrente apenas filmes que tratam da nossa mais baixa realidade. A triste realialidade é que deixa de lado muitas coisas boas que existem por aqui. Li recentemente em um site que não me lembro qual, que alguns diretores brasileiros dizem que gente rica não rendem boas histórias, então, fazem tudo o que vemos por aqui. Esse mesmo site fazia essa citação, quando comparava e elogiava a premiação, neste ano, de um filme do Irã como melhor filme estrangeiro chamado "A Separação", onde trata dos conflitos vividos por famílias de classe média. Lembro que em 1995 o filme brasileiro indicado para o prêmio foi "O Qatrilho". Achei muito bom mesmo, porém, também não recebeu nada, mas , pelo menos, era uma trama bem diferente das que estamos acostumados a ver nas nossas telas e nas indicações mais recentes. A mehor participação do Brasil na festa, acho que foi mesmo com o filme "Cidade de Deus", onde concorreu em várias categorias, e o melhor é que é um filme originalmente brasileiro, diferente do filme "O Beijo da Mulher Aranha" onde também concorreu em categorias, porém era uma co-produção brasileira e norte americana e o único vencedor foi mesmo o ator William Hurt. Agora, uma curiosidade daquelas de matar é que em 1959 o Brasil mandou um filme chamado "Orfeu Negro" que é uma adaptação da peça de Vinicius de Moraes "Orfeu da Conceição". Na verdade é uma co-produção Brasil, França, Itália. O roteiro foi adptado pelo diretor o francês Marcel Camus, as músicas eram de Tom Jobim e Luis Bonfá, assim como o próprio Vinicius, os atores eram todos brasileiros, foi filmado no Brasil e a língua utilizada foi a portuguesa, e vejam só, esse filme ganhou o prêmio na categoria de melhor filme estrangeiro. Que legal! Seria melhor, porém, se o prêmio tivesse sido dado para o Brasil, pois, por ter um diretor francês, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas que faz a premiação do Oscar, considerou esse filme como sendo francês/italiano, e o prêmio, ou melhor, and Oscar goes to....não para os tupiniquins aqui, é claro! Da mesma forma aconteceu quando eles preferiram premiar em 1998 no filme "Shakespeare Apaixonado"  uma atriz quase desconhecida na ocasião, pois ela havia estreado no cinema apenas em 1991, Gwyneth Paltrow, e não premiar a atriz brasileira Fernanda Montenegro, justamente indicada pelo filme "Central do Brasil". O nosso consolo nesse ano é que mais uma vez uma das outras concorrentes era a igualmente maravilhosa Meryl Streep, que em todas as suas dezessete idicações, ganhou apenas três, essa última nesse ano de 2012.